5 erros mais comuns na hora de integrar com provedores de pagamento


Traçamos os 5 principais erros para ajudar você na hora de escolher e integrar com provedores de pagamentos.




Com mais de 60 empresas de pagamentos no Brasil atualmente, escolher o melhor provedor para que a sua empresa aceite vendas online pode soar fácil com tantas opções, mas a realidade pode apresentar mais obstáculos do que o previsto.


Na hora de tomar a decisão, é possível levantar algumas informações de cada um dos provedores de pagamento como: as funcionalidades oferecidas, o custo/esforço de implementação, taxas e meios de pagamentos disponíveis. Com isso em mente, o questionamento que fazemos é: será que ter esses dados é suficiente para evitar contratempos, arrependimentos e até ter que alocar o seu time de desenvolvimento para integrar com um novo parceiro no futuro?


Para evitar cair em armadilhas e ajudar você a escolher o meio de pagamento ideal para o seu negócio, listamos a seguir os 5 principais erros na hora de integrar com provedores:

  1. Não comparar provedores e usar o primeiro que encontrar

  2. Escolher com base apenas no custo

  3. Não tratar casos de exceção

  4. Não considerar usar mais de um provedor

  5. Subestimar o tempo necessário para integrar

Confira a seguir!


1. Não comparar provedores e usar o primeiro que encontrar


Embora não seja a atividade final da maioria dos negócios, o pagamento é uma parte fundamental da sua jornada de compra e pode pesar tanto quanto a qualidade excepcional do seu produto ou serviço. Isso não quer dizer que você vai precisar entender tudo de pagamentos ou até contratar especialistas para o seu time, mas explica porque escolher o parceiro certo é tão importante. Por isso, o primeiro erro que você pode evitar é escolher o primeiro provedor que você encontrar.


É fundamental fazer comparações entre provedores para ter acesso às melhores condições, caso contrário, você pode acabar fechando com o que vende melhor e não com quem entrega o melhor serviço de pagamentos para o seu negócio.


Uma dica nesse caso é continuar pesquisando e comparando os serviços de provedores de pagamento mesmo depois de integrar, já que o momento da sua empresa pode mudar e os serviços tecnológicos evoluem rapidamente.


2. Escolher com base apenas no custo


O custo pode pesar bastante na escolha do provedor ideal para o seu negócio e inclui as taxas cobradas por transações e por antecipação de recebíveis, se você preferir receber seus pagamentos antes do prazo padrão. Esses valores podem variar de acordo com alguns fatores, como o mercado em que você está inserido e o volume que você transaciona no seu momento atual. É importante saber que, em geral, são tabeladas, mas é possível negociar com o provedor e, conforme o seu negócio evoluir e gerar um volume maior de transações, também recomendamos renegociá-las.


Essa análise de preço é importante porque, dependendo do seu ticket médio, ter um custo elevado em cada transação pode inviabilizar o seu negócio ao reduzir a sua margem de contribuição. Porém, evite a armadilha de optar por um provedor com base apenas no custo, já que isso também pode comprometer o seu negócio.


Mesmo que o custo inicial seja mais o baixo do mercado, você vai acabar trocando de meio de pagamento no futuro se o atendimento dele não funcionar como esperado, se as transações não passarem e a sua taxa de conversão de vendas for muito baixa ou se quando você precisar transacionar, o servidor estiver indisponível. Sugerimos analisar o custo atrelado ao serviço entregue como um todo e entender se o seu modelo de negócio será bem atendido pelas funcionalidades oferecidas, se há facilidade para migração de dados e base de cartões tanto no início do serviço como em caso de mudança de provedor no futuro e também se há estabilidade de serviço e atendimento satisfatório.


3. Não tratar casos de exceção


Um dos pontos que não é levantado na hora de escolher um provedor, mas que pode fazer com que você se arrependa da sua decisão é desconsiderar como o provedor lida com casos de exceção como: cobranças indevidas, chargebacks, transações negadas ou indisponibilidade do servidor.


Como cada um desses casos pode ser tratado via sistema ou depender de suporte, entender minuciosamente como funciona vai impactar na forma como você desenha o seu serviço também e torna a experiência com o provedor e a do seu cliente no momento de compra mais agradável (ou desagradável!). Por isso, vale atentar aos casos de exceção, para não ter contratempos ou afetar a credibilidade com compradores.


4. Não considerar usar mais de um provedor


Se escolher um provedor é difícil, pode parecer extremamente tentador usar apenas um único provedor: o ideal. Se as necessidades de pagamento do seu negócio forem mais simples, pode ser que esse não seja um problema pra você, que bom! Porém, dada a diversidade dos meios de pagamento disponíveis e a evolução constante dos modelos de negócios, pode ser que um único provedor não atenda todos os cenários do seu fluxo de pagamento, atual e futuro.


Por causa disso, um erro comum é justamente escolher um só. É importante tomar essa decisão de forma consciente e com clareza dos prós e contras, já que, ao optar por usar um único provedor, você pode limitar a sua oferta de formas de pagamento, está propenso a maior exposição a falhas do provedor e diminui o seu poder de barganha para negociar melhorias.


5. Subestimar o tempo necessário para integrar


Por último, mas não menos importante: ao escolher o meio de pagamento ideal, tenha em mente que customizar a integração na hora de implementar é uma prática bastante comum, já que cada provedor possui características próprias, assim como cada modelo de negócio, como falamos acima.


Além disso, como a tecnologia e os meios de pagamento estão evoluindo rapidamente, manutenções podem ser necessárias para adicionar uma forma de pagamento nova ou adaptar mudanças no fluxo de transação.


Dessa forma, vale levar a customização em consideração no seu planejamento de escopo para evitar subestimar o tempo necessário para integrar.


Conclusão


Para não cair em armadilhas como as que listamos e ainda melhorar a sua experiência com provedores de pagamentos, vale buscar informação de qualidade no mercado por meio de recomendações de pessoas que já integraram no passado ou sites especializados no assunto!


Se você ainda tiver dúvidas sobre qual é o melhor meio de pagamento para a sua empresa e não quer realocar o tempo da sua equipe de desenvolvimento para integrar novamente com um novo provedor no futuro, entre em contato conosco e agende uma consultoria de 15 minutos gratuitamente com nossos especialistas.

Posts recentes

Ver tudo

Blog